Vereadores de Marilândia pretende abrir CPI para apurar gastos desnecessários no mandato do ex-prefeito Geder Camata

Durante a sessão ordinária realizada na última segunda-feira (05), na Câmara Municipal de vereadores de Marilândia, região noroeste do estado, alguns vereadores após ouvirem um servidor no uso da tribuna livre, pretende instaurar uma CPI para apurar gastos desnecessários com a verba destinada ao COVID-19, no mandato do ex-prefeito Geder Camata.

A sessão que começou com clima pesado, após o vereador Jô Comério (Republicanos) se retirar do plenário para não ouvir o Servidor Fabriano Peixoto de Oliveira, que se inscreveu no uso da tribuna Livre pelo prazo de 10 minutos para explanar um pouco mais sobre o cargo e sua função a frente do PAD - Processo Administrativo Disciplinar, que fica lotado na Controladoria do poder executivo municipal.

Fabriano no uso de sua fala, se mostrou um pouco constrangido com a atitude do vereador, e também com a presença da Polícia Militar na Câmara, e falou para os vereadores presentes algumas irregularidades praticadas pelo ex-prefeito Geder Camata nas compras com o dinheiro destinado ao município durante a pandemia do novo Coronavírus.

'É extremamente constrangedor você vir a uma Câmara de vereadores, e a casa de leis convidar a força policial para acompanhar o seu depoimento, eu não sou bandido, eu não sou nenhum marginal, eu sou um servidor público que passei em primeiro lugar no concurso público no município de Marilândia, eu mereço respeito. Vamos falar do que apuramos: A prefeitura comprou teste á R$181,00 ao todo 75 caixas, a farmácia ali da esquina comprou á R$ 110,00 em 4 caixas, onde se pagou 63% a mais dentro da pandemia, isso é uma vergonha. A prefeitura de Marilândia não põe nenhum defunto em saco plástico quando vem a óbito, só é colocado no saco quando morre no hospital, isso é desnecessário, não vou falar valor, nem quantidade, isso é fazer palco, política em cima da COVID. Serviço de filmagem e transmissão ao vivo para redes sociais com transmissão via celular com verba do COVID-19 no valor de R$ 1.120,00.'' disse Fabriano.

Fabriano ainda falou sobre outras irregularidade e gastos desnecessários com o dinheiro público no período da pandemia na gestão do prefeito Geder. Na ocasião o vereador Paulinhos Costa (PP), após ouvir as irregularidades apuradas, pediu para que uma CPI fosse instaurada para investigar os gastos.

No uso da tribuna o vereador Adilson Reggiani (PSB) reforçou o pedido do vereador Paulinho Costa para que a câmara realmente abra essa CPI para investigar as compras irregulares no município no mandato passado. 

"Agradeço ao Fabriano, que é um defensor da verdade. Essa câmara tem que se movimentar sim, em termo de fiscalização. Não é possível que se compra feijão a R$8,70 para uma grande quantidade, sabendo que no supermercado está pouco mais de R$3,00, isso é uma maneira brusca de tirar dinheiro do povo, isso é roubo. Infelizmente terá que ser construído um presídio para os gestores do passado, que consumiram com o dinheiro do COVID-19, onde R$ 3 milhões foram consumidos de uma forma que não tem explicação, sacos para colocar defuntos, Cloroquina vencida, produtos ortopédicos, entre outros produtos adquiridos de forma ilegal.'' disse o vereador.

Fonte: O Popular ES

Post a Comment

Postagem Anterior Próxima Postagem